Compartilhe essa Notícia:

O julgamento dos réus Glauber Farias Dias, Natanael Neres Ferreira e Romário da Silva Rocha se iniciou às 9:00 da manhã de segunda-feira (28) em uma sessão do tribunal do júri, conduzida pela juíza da Comarca de Esperantinópolis Dra. Urbanete de Angiolis Silva.

Os acusados foram julgados pelo assassinato de José Almir Mendonça, que residia no povoado Sumaúma, município de Barra do Corda-MA. O Crime ocorreu no dia 20 de janeiro de 2015 por volta das 07:30 horas em São Raimundo do Doca Bezerra-MA.

José Almir Mendonça conhecido como "Branco" trabalhava em São Raimundo do Doca Bezerra como secretário adjunto de agricultura e assessor da então prefeita à época, Arlene Pimenta. Branco foi assassinado com seis tiros, sendo três na face, um tiro no membro superior direito e dois tiros no membro esquerdo.

A promotoria foi conduzida pelo Dr. Francisco Jansen Lopes Sales, a Assistente de Acusação, Dra. Elisangela dos Reis Sousa, e os Advogados de defesa foram Dr. Manoel Silva Monteiro Neto, Dr. João Alberto Rolim Mesquita , Dr. Fernando Antonio Costa Polary e Dr. José Teodoro do Nascimento.

A sentença deste júri, que foi um dos mais longos júris da história de Esperantinópolis, foi proferida às 1:20h de terça (29) pela meritíssima juíza Dra. Urbanete de Angiolis Silva. Os 3 acusados foram condenados pelo homicídio. De acordo com a sentença, as penas são de 13 anos para Glauber, 13 anos para Romário e 14 anos e 09 meses para Natanael, e devem cumprir pena no Complexo Penitenciário de Pedrinhas (São Luís) ou na Unidade Prisional de Ressocialização de Pedreiras.

Romário já possui condenação e será conduzido para Pedrinhas junto com Glauber. Natanael retornará para a unidade de Ressocialização de Pedreiras para a cumprir o restante da pena.

Vídeo:





Comentários do Blogger

3 Comentários

  1. e o mandante do crime nao vai aparecer?

    ResponderExcluir
  2. Foi um crime brutal sem chance de defesa da vítima era pra ser qualificado foi pouca a pena.

    ResponderExcluir
  3. Pena de 70 anos de prisão ainda seria pouco.

    ResponderExcluir