Compartilhe essa Notícia:
homem câncer sonho mar
Nascido em Santa Inês, no interior do Maranhão, Marcos Antônio Santana Miranda da Silva, de 29 anos, sempre teve o sonho de conhecer o mar. Doente com um quadro de quadro de sepse e câncer de intestino, em estado avançado, ele foi internado em um hospital da rede pública estadual, no dia 3 de janeiro.
Após questionar uma enfermeira do Hospital de Referência Estadual de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira (HCM), onde estava internado, se seu sonho poderia ser realizado, uma equipe montou a estrutura necessária para atender ao pedido de Marcos Antônio.

Na semana passada, seis dias depois de dar entrada no HCM, ele viu o mar pela primeira vez e pode sentir a brisa da praia vendo o por do sol na orla de São Luís, capital do estado, tomando uma água de coco, com direito sorvete.

Para o HCM organizar a operação foi preciso envolver muitos profissionais, dente eles médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e psicólogas. A maior complicação, segundo o médico Luís Fernando Amorim Ramos Filho, era que o paciente precisava de monitoramento constante, principalmente pelas fortes dores que sentia.

Apesar do estado físico debilitado, Marcos se disse alegre por ter conhecido o mar. “Eu estou muito feliz! É uma oportunidade única essa que estou tendo. Agora sim posso dizer que realizei o meu sonho”, disse.

Depois do seu grande sonho realizado, Marcos Antônio não resistiu e morreu nessa segunda-feira, 13

Saiba mais sobre câncer no intestino

O câncer colorretal abrange tumores que acometem um segmento do intestino grosso (o cólon) e o reto. É tratável e, na maioria dos casos, curável, ao ser detectado precocemente, quando ainda não se espalhou para outros órgãos.

Grande parte desses tumores se inicia a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso.

Uma maneira de prevenir o aparecimento dos tumores seria a detecção e a remoção dos pólipos antes de eles se tornarem malignos.

Estimativa de novos casos: 34.280, sendo 16.660 homens e 17.620 mulheres (2016 – INCA)

Sintomas

Pessoas com mais de 50 anos com anemia de origem indeterminada e que apresentem suspeita de perda crônica de sangue no exame de sangue devem fazer endoscopia gastrintestinal superior e inferior.

Mudança no hábito intestinal (diarréia ou prisão de ventre), desconforto abdominal com gases ou cólicas, sangramento nas fezes, sangramento anal e sensação de que o intestino não se esvaziou após a evacuação são sinais de alerta.

Também pode ocorrer perda de peso sem razão aparente, cansaço, fezes pastosas de cor escura, náuseas, vômitos e sensação dolorida na região anal, com esforço ineficaz para evacuar. Diante desses sintomas, procure orientação médica. Para mais informações, clique aqui.

Com informações do Hospital Israelita Albert Einstein 

Comentários do Blogger

0 Comentários