Compartilhe essa Notícia:

Comitê Estadual de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal define ações para Barra do Corda

Os membros do Comitê Estadual de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal se reuniram nesta terça-feira (23), na sala da vice-governadoria do Palácio Henrique de La Rocque, para discutir ações a serem desenvolvidas na Regional de Saúde de Barra do Corda para zerar o número de óbitos de mães e bebês e investigar os casos de 2019.

A redução dos óbitos nesse público é uma das metas do Governo do Estado, cujas ações são desenvolvidas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) em parceria com a Secretaria Extraordinária de Articulação de Políticas Públicas (SEEPP) e Secretaria de Estado da Mulher (Semu).

“O comitê tem uma ação contínua, com reuniões feitas mensalmente. Hoje, foi apresentada a análise dos óbitos fetais na região de Barra do Corda, estudados pela equipe análise de óbitos da SES. O resultado trouxemos para o comitê e, a partir dele, estamos criando estratégias a partir do olhar de cada membro deste comitê para evitar que novas mortes aconteçam”, destacou a secretária adjunta de Assistência à Saúde da SES, Carmen Belfort.
Comitê Estadual de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal define ações para Barra do Corda

Foi deliberado durante o encontro a criação de uma comitiva que irá a Barra do Corda para percorrer o caminho da gestante, do início do pré-natal até a saída dela da unidade no puerpério, ação semelhante foi feita no município de São Pedro dos Crentes, Regional de Balsas. Com base no mapeamento, as equipes vão analisar as fragilidades e propor as autoridades de saúde da regional mudanças para evitar novos óbitos.

Presente à reunião, a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) oferecerá uma capacitação aos profissionais de saúde do estado. “Temos uma responsabilidade muito grande na formação dos novos profissionais médicos que vão atuar em todo Maranhão, então nosso papel é formar essa consciência neles ainda na academia. Vamos contribuir ainda no comitê com a capacitação dos profissionais de saúde, para reduzir esses índices de mortalidade, que é nosso papel”, pontuou a professora Nila da Conceição Cardoso.

Entre as ações definidas pelo comitê, estão: intervir em parceria com a Comissão Intergestora Regional (CIR) para reorganizar a linha de cuidados materno infantil na regional de Barra do Corda; qualificar os profissionais da estratégia da família na assistência ao pré-natal; qualificar os profissionais da maternidade para assistência ao parto e nascimento; implantar o protocolo de manejo químico na atenção primária e maternidade de referência; criar um comitê regional de combate a mortalidade; implantar a estratificação de risco da gestante no acesso a unidade de saúde; fortalecer a vinculação da gestante na maternidade de referência; integrar as ações de saúde entre Estado e municípios que compõe a regional de saúde; monitorar doenças graves no nascimento; vigilância do óbito em mulheres em idade fértil.

“O comitê é o principal espaço para discussão entre as pessoas que tem a expertise técnica, capacidade de análise e decisão para executar ações de redução da mortalidade materna e infantil no Maranhão. Nós do Unicef queremos contribuir com o processo de mobilização, treinamento e engajamento da população no enfrentamento desse problema, pois no Maranhão precisamos garantir que as crianças acessem uma vida plena desde o início”, disse a chefe do escritório do Unicef no Maranhão, Ofélia Ferreira da Silva.

O Comitê Estadual de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal é um organismo de natureza interinstitucional e multiprofissional, que visa analisar os óbitos maternos e infantis e apontar medidas de intervenção para a redução dos episódios. É um instrumento de acompanhamento e avaliação permanente das políticas de atenção à mulher e à criança.

Participaram do encontro o secretário extraordinário de Articulação de Políticas Públicas (SEEPP), Marcos Pacheco; Conselho Regional de Medicina do Maranhão (CRM/MA); Conselho Regional de Enfermagem (Coren); Instituto Médico Legal (IML); Ministério Público do Maranhão, por meio do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (CAOP/Saúde), e Conselho de Secretários Municipais de Saúde Maranhão (Cosems).

Comentários do Blogger

0 Comentários