Qualquer reunião ou manifestação estão sendo dispersas em nome de suposta ordem ou até mesmo que estariam evitando concentrações para compra de votos. Estranhamente as mesmas desconfianças não existe quando os movimentos partem da candidatura do oposicionista César Brito.
Hoje, no dia da votação, viaturas se revezam na porta da residência do atual prefeito, que reside na zona rural da cidade, assim como nas proximidades de ondem moram os principais líderes da campanha dele.
Edvan Brandão e César Brito (foto de Vanilson Rabelo)
O clima de medo imposto pelo governo em muito se assemelha ao pânico instalado em Coroatá na eleição de 2016 quando o grupo da então prefeita Teresa Murad ficou ilhado, impotente, vendo a vitória ser dada para o atual prefeito Luis da Amovelar Filho, debaixo de muita pressão.

Na semana da eleição o próprio governador esteve em Bacabal garantindo que daria a vitória para seu amigo das horas certas e de aperreios, o candidato César Brito. Antes, porém, Flávio Dino gravou vídeos pedindo votos e insinuando que a presença de Brito na prefeitura significava que a cidade teria total apoio do governo, numa demonstração clara de abuso de poder econômico e político.

 Blog do Luis Cardoso